O encontro reúne representantes da Farmacopéia Internacional da Organização Mundial da Saúde (OMS) e das Farmacopéias Européia e Americana, além de autoridades sanitárias de todos os países da América do Sul. Uma mesa redonda com representantes da Argentina e do México vai debater a importância das farmacopéias como instrumentos sanitários para os países.

Segundo a diretora da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o simpósio vai permitir conhecer como cada país trabalha suas metodologias, como são feitos os estudos interlaboratoriais e de que modo se dá a participação dos órgãos de saúde, da academia e do setor produtivo.

A Farmacopéia Brasileira é o Código Oficial Farmacêutico do País. A função de uma farmacopéia é estabelecer os requisitos de qualidade que os medicamentos consumidos pela população devem obedecer, incluindo os componentes empregados na fabricação.

Cabe também à Farmacopéia a elaboração de padrões de referência, a formação e o aperfeiçoamento de recursos humanos na área de controle de qualidade, além de apoio à pesquisa científica e tecnológica e outras atividades que visam aumentar a segurança e eficácia dos fármacos.