Desde o ano de 2.000 a vacina contra a rubéola faz parte do calendário nacional de imunização e é aplicada gratuitamente pelo SUS (Sistema Único de Saúde). A primeira dose deve ser tomada com 12 meses de vida, com reforço entre quatro e seis anos de idade. A Secretaria também indica a vacinação para qualquer pessoa nascida a partir de 1960 que não tenha recebido nenhuma dose anterior.

A rubéola normalmente é uma doença infecciosa benigna, mas quando ocorre durante a gestação há o risco de Síndrome da Rubéola Congênita, que pode comprometer o desenvolvimento do feto e causar abortamento espontâneo, morte fetal e malformações congênitas como surdez, glaucoma, catarata e diabetes.

Os principais sintomas são febre baixa, manchas no corpo, dores articulares, conjuntivite, coriza e tosse. A vacina contra a rubéola não é indicada para pessoas imunodeprimidas (em tratamento de câncer e aids, por exemplo) e mulheres grávidas. As gestantes poderão ser imunizadas somente após o parto.

Febre amarela - Quem pretende viajar nessas férias a regiões do Brasil ou do exterior a áreas consideradas de risco de contaminação por febre amarela deve se imunizar dez dias antes do embarque. A relação de áreas para as quais a vacina é recomendada, bem como a lista de postos que dispõem da vacina contra febre amarela pode ser consultada pelo site www.cve.saude.sp.gov.br.