rf108_cabecalho

PUBLICAÇÃO DO CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO
Nº 108 - AGO - SET - OUT / 2012

Revista 108 setinha Personagem - Sebastião Patrocínio

 

Mais de cinco décadas de trabalho

Farmacêutico desde 1960 e em atividade, dr. Sebastião Patrocínio ainda quer contribuir para o aperfeiçoamento da profissão

Carlos Nascimento

No auge de seus 72 anos, ele permanece em plena atividade no setor farmacêutico. Profissional experiente da indústria, liderança incansável, tendo exercido atividades nas principais entidades farmacêuticas,o dr. Sebastião Patrocínio é um homem apaixonado pela profissão, pela família e pela vida. Sua ligação com a profissão vem desde muito cedo. Ainda em Ribeirão Preto, sua cidade natal, com apenas 12 anos de idade, começou a trabalhar como ajudante numa antiga farmácia, que hoje não existe mais. Daquele tempo, mantém com carinho as recordações, especialmente do proprietário, Nazir Jorge Fadul, com quem afirma ter aprendido muito sobre ética. “Com este homem adotei condutas que levo por toda a minha vida e é de quem herdei o amor pela Farmácia”, disse. Graças a esta experiência, ingressou no curso de farmácia da Universidade de São Paulo (USP-Ribeirão) e, em 1960, com 20 anos de idade, graduou-se o mais jovem farmacêutico de sua turma. “Isso foi possível porque, naquela época, o curso tinha a duração de três anos”, explicou. 

Assim que terminou a faculdade, decidiu se transferir para São Paulo onde, lembra-se com bom humor e ironia, tinha certeza que ficaria rico. Se, por um lado, seu projeto de riqueza não teve o êxito esperado, por outro iniciou sua carreira bem-sucedida na indústria, o que possibilitou a realização de grandes projetos profissionais e pessoais.

Em 1962, conseguiu um trabalho na indústria Eli Lilly, inicialmente na fábrica de capsulas, à noite.  “Num sistema de revezamento de atividades, umaprática adotada pela empresa, tive a oportunidadede atuar em diversas áreas”, disse. Permaneceu por 10 anos nesta companhia.

Em 1972, foi trabalhar no Instituto De Angelique, posteriormente, foi comprado pela indústriaalemã Boehringer Ingelheim, onde permaneceupor 20 anos e estabeleceu uma relação profissionalmuito positiva com o dr. Lauro Moretto, que, na época, foi seu diretor e hoje compõe a diretoria do Sindusfarma e é presidente da Academia Nacionalde Farmácia (ANF).

Sua paixão pela profissão teve início muito cedo em uma farmácia de Ribeirão Preto, com apenas 12 anos. Formou-se com apenas 20 anos de idade, em 1960 (Fotos: Arquivo pessoal) rf108_personagem_sebastiao-patrocinio_farmacia-ribeirao-preto_foto-arq-pessoal
Sua paixão pela profissão teve início muito cedo em uma farmácia de Ribeirão Preto, com apenas 12 anos. Formou-se com apenas 20 anos de idade, em 1960 (Fotos: Arquivo pessoal)
Reconhecimento: ganhou o Prêmio Cândido Fontoura, doSindusfarma, em 2010. Ao lado da esposa e familiares
Reconhecimento: ganhou o Prêmio Cândido Fontoura, doSindusfarma, em 2010. Ao lado da esposa e familiares 

Após mais de 40 anos de convivência, o dr. Lauro Moretto descreve o dr. Sebastião como um homem de índole elogiável, amigo, confidente e leal. Considerao colega um modelo de liderança. “É um homem que gosta de planejar, delegar, trabalha muito bem em nível gerencial, além das suas qualidades técnicas”, disse o ex-chefe.

O entusiasmo pela profissão levou o dr. Sebastião a dedicar-se a atividades em entidades ligadas à farmácia. Lutou por melhores condições de trabalho no Sindicato dos Farmacêuticos (Sinfar), nos anos 80, fez parte das comissões de Indústria e de Transporte do CRF-SP, membro da Associação Nacional de Farmacêuticos Atuantes em Logística (Anfarlog), além de também participar da União Farmacêutica (Unifar). Tamanha dedicação foi recompensada há dois anos, quando recebeu o Prêmio Cândido Fontoura, do Sindusfarma.

Hoje, é membro do recém-criado Comitê dos Farmacêuticos Seniores do CRF-SP, grupo criado como objetivo de discutir os problemas e encontrar soluções para as necessidades dos farmacêuticos com mais de 65 anos. “Estamos fazendo uma coisa fantástica que é passar adiante os conhecimentos adquiridos durante anos”.

Dr. Dárcio Calligaris, um dos membros do Comitê Sênior, que conhece o dr. Sebastião há mais de 30 anos afirma que o colega sempre foi um gerente exemplar. “Tenho grande admiração por ele. Quando iniciei minha carreira, lembro, em visitas à industria, que ele mantinha um ótimo relacionamento com sua equipe, além dos cuidados com as peças e equipamentos”, elogiou.

Vida Familiar 

Uma passagem que ligou definitivamente a vida pessoal do dr. Sebastião à profissão foi o momento de seu casamento. Coincidentemente, há 47 anos, comemora sua união com a dona Nancyr, no dia 20 de janeiro, diado farmacêutico. Desta união, teve dois filhos.

Dr. Sebastião não acredita em sorte, mas em trabalho. Se tem algo a lamentar foi que trabalhou tanto que não pode acompanhar como gostaria o crescimento dos filhos. Mas, diz que foi um homem privilegiado e se considera muito feliz com o caminho que traçou. “Enquanto eu puder, vou me dedicar àquilo que me faz feliz”, afirmou.

Mesmo depois de aposentado, o dr. Sebastião voltou ao mercado de trabalho, desta vez em um ramo de atividade que não teve experiência anterior, o transporte de medicamentos. Precisou voltar a estudar e reconhece que falta muita coisa para aprender sobre a área.

Disse que seu passatempo preferido é a leitura. Dedica-se a buscar conhecimentos sobre suas curiosidades gerais, tem interesse por crônicas ou literatura especializada em sua área de atuação, transporte de medicamento e rastreamento de cargas.

Carlos Nascimento

 

 

 setinha Voltar ao Sumário

setinha Acesse aqui as edições anteriores ou faça download da Revista do Farmacêutico