Oficina reúne representantes do CRF-SP e Cosems para formular documento orientador sobre assistência farmacêutica


São Paulo, 4 de junho de 2019.

CRF-SP e Cosems (Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo) organizaram juntos a “Oficina de Assistência Farmacêutica”, na sexta-feira (31/05), reunindo representantes das duas entidades com objetivo de debater os desafios da assistência farmacêutica pública e traçar objetivos que serão transformados em um documento orientador para os municípios do Estado de São Paulo. O encontro foi realizado no plenário da sede do CRF-SP.Dr. Ronaldo Gonçalves Júnior e Dra. Luciana CanettoDr. Ronaldo Gonçalves Júnior e Dra. Luciana Canetto

Na abertura do evento, a Dra. Luciana Canetto, secretária-geral do CRF-SP, chamou a atenção sobre a importância do trabalho do farmacêutico no serviço público e apresentou a experiência do GTAM (Grupo Técnico de Apoio aos Municípios), uma iniciativa do Conselho que oferece apoio à estruturação da assistência farmacêutica nos municípios, e dos Workshops de Judicialização, encontros realizados pelo CRF-SP que reúnem gestores, poder público, representantes do judiciário e profissionais em todo Estado de São Paulo, procurando estimular o debate e encontrar soluções para os problemas da assistência farmacêutica.Dra. Marcia Bueno Satolin e Dr. Roberto Tadao Magami JuniorDra. Marcia Bueno Satolin e Dr. Roberto Tadao Magami Junior

“A aproximação das entidades durante este encontro visa contribuir com a melhoria da qualidade do atendimento à população, traçar requisitos mínimos para a organização da assistência farmacêutica e definir as atribuições de cada profissional nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), serviços de especialidade, unidades de pronto atendimento e serviços de abastecimento farmacêutico”, destacou a Dra. Luciana.

Já o diretor do Cosems-SP, Dr. Ronaldo Gonçalves Júnior, destacou que como gestor consegue vivenciar as dificuldades de administrar o SUS da forma como ele está constituído e diante de problemas que vão passam pela questão do financiamento. Também observou que há cidades com um grau de vulnerabilidade maior e municípios bem estruturados. “Se considerar a questão do porte, 80% são municípios pequenos, que eventualmente têm dificuldade de estruturar suas atividades, não só na contratação e presença do farmacêutico mas para se estruturar tecnicamente para prestar um serviço de qualidade. Acredito que esse apoio que o CRF-SP e Cosems irão oferecer, vai ajudar muito”, disse.Dra. Karina Rocha e Dr. Dirce MarquesDra. Karina Rocha e Dr. Dirce Marques

Apresentando a proposta de trabalho da oficina, a Dr. Dirce Marques, Cosems-SP, afirmou que os profissionais presentes deverão estabelecer uma estratégia para escrever recomendações aos municípios de modo que os gestores possam olhar seus serviços e reconhecer os avanços possíveis. “Não estamos aqui para propor nenhum termo de ajustamento de conduta, no entendimento do Cosems o município é livre. Nosso objetivo é que o gestor se aproprie das recomendações e perceba que o documento pode direcionar o seu trabalho como gestor. Que seja uma possibilidade de modelo para organizar o serviço de assistência farmacêutica”, destacou.Dr. Samuel Amano Máximo e Dr. Anderson AlmeidaDr. Samuel Amano Máximo e Dr. Anderson Almeida

Com o objetivo de apresentar os aspectos administrativos e legais, o evento também abriu espaço para o debate sobre a visão jurídica e interpretação da legislação do ponto de vista do CRF-SP e do Cosems. Dr. Roberto Tadao Magami Junior, gerente do departamento de consultoria jurídica foi o debatedor do CRF-SP, e a Dra. Marcia Bueno Satolin, consultora jurídica, apresentou o contraponto da visão do Cosems sobre a legislação.Grupos de discussões das áreas de atenção básica, especialidades e urgência/emergência.Grupos de discussões das áreas de atenção básica, especialidades e urgência/emergência.

Participaram ainda dos debates a Dra. Karina Rocha, farmacêutica da Secretaria Municipal de Saúde de Diadema, apresentando sua experiência no sistema de apoio logístico; Dr. Samuel Amano Máximo, coordenador da Atenção Primária à Saúde Santa Marcelina, falando sobre os serviços farmacêuticos na atenção básica; e Dr. Anderson Almeida, delegado regional da seccional de São José do Rio Preto e farmacêutico da Secretaria Municipal de Saúde de São José do Rio Preto, que destacou a garantia da integridade das ações na assistência farmacêutica do SUS.

Na parte da tarde os participantes formaram três grupos de trabalho com o objetivo de debater e formular as recomendações nas áreas de atenção básica, especialidades e urgência/emergência.


Carlos Nascimento
Departamento de Comunicação CRF-SP