Marca-passo no cérebro pode ser a nova arma contra obesidade mórbida e depressão

 

Marca-passo no cérebro pode ser alternativa para obesidade e depressãoMarca-passo no cérebro pode ser alternativa para obesidade e depressãoSão Paulo, 24 de julho de 2012.

Após quase duas décadas sendo utilizado no controle dos sintomas da doença de Parkinson, o marca-passo cerebral será testado pela primeira vez no Brasil para obesidade mórbida e depressão. A opção é mais uma alternativa em complemento aos medicamentos e cirurgia.

O Centro de Neurociência do HCor (Hospital do Coração) por meio do Instituto de Ensino e Pesquisa e o Ministério da Saúde serão responsáveis pelas pesquisas conduzidas pelos neurocirurgiões brasileiros que acabam de voltar ao país depois de uma longa temporada nos EUA, Antonio De Salles e Alessandra Gorgulho. 

O grupo de pesquisa do qual fazem parte realizou estudos para o tratamento da depressão com essa técnica. E ambos já desenvolveram pesquisas com a estimulação elétrica cerebral em primatas e suínos para tratar a obesidade mórbida.

Como funciona

No tratamento da doença de Parkinson e outros distúrbios do movimento, eletrodos são inseridos no cérebro e ligados a um marca-passo colocado sob a pele. Por meio de impulsos elétricos, os sinais do cérebro que geram tremores e rigidez muscular são inibidos.

Já para tratar a depressão um dos novos estudos vai testar a eficácia da neuromodulação no nervo trigêmeo, cujas fibras carregam informações sensoriais e as projetam para estruturas do cérebro envolvidas na doença.

Pela primeira vez, os eletrodos serão implantados sob a pele nesse nervo e conectados a um marca-passo para tratar a depressão. A pesquisa deverá ter 22 participantes.

Para a obesidade mórbida o objetivo é implantar eletrodos cerebrais em uma área responsável pela saciedade em seis pacientes que não obtiveram sucesso com a cirurgia bariátrica.

As fases iniciais da pesquisa começam em 2013. Apesar de a técnica cirúrgica ser segura e conhecida, é necessário que os estudos apontem que ela também é eficaz para essas novas aplicações.

 

Assessoria de Comunicação CRF-SP (com informações da Folha de S. Paulo)

 

CLIQUE AQUI PARA CONSULTAR OUTRAS NOTÍCIAS