A campanha, que contará com o apoio do CRF-SP na divulgação, será disseminada com jingle, cartazes, filipetas, displays e um filme de 30 segundos para televisão. Todas as peças publicitárias ensinam ao consumidor como diferenciar um medicamento verdadeiro de um falso. Também faz parte da campanha uma cartilha específica voltada para policiais federais, civis e militares que atuam na repressão a esse crime.

Um dos principais alertas feitos pela Anvisa e que também é amplamente divulgado pelo CRF-SP é que a venda de medicamentos falsos ou contrabandeados não está mais restrita a camelôs e feiras. Atualmente, é possível encontrar os produtos em farmácias, drogarias e distribuidoras, já que os criminosos procuram atrelar a credibilidade de um estabelecimento de saúde para facilitar a venda do produto irregular.

Durante o lançamento, dr. Dirceu Raposo disse que a Anvisa solicitou ao Congresso Nacional a revisão das regras para a abertura e o funcionamento de farmácias em todo o país.

Em alguns casos a semelhança é nítida entre um medicamento original e um falso. No entanto, alguns itens de segurança são fundamentais no reconhecimento de um fármaco verdadeiro. Entre eles:

 

• Se o nome do produto está legível e bem impresso;
• Se não há rasgos, rasura ou alguma informação que tenha sido apagada;
• Se consta a data de validade do produto e o número do registro no Ministério da Saúde;
• Se o número do lote impresso na embalagem é o mesmo do frasco ou cartela interna;
• Se consta o nome do farmacêutico responsável e o número de sua inscrição no Conselho Regional de Farmácia;
• Verifique se a bula é original e não cópia;
• Verificar se há o selo holográfico (raspadinha)


Se o consumidor já faz uso do medicamento, deve verificar sempre:


• Se há mudança na embalagem externa, como cor, formato, tamanho das letras;
• Se há alteração de sabor, cor e forma do produto.

Clique na imagem e acesse o hotsite da Campanha

 

Thais Noronha

Assessoria de Comunicação CRF-SP