Os dados do estudo foram coletados na cidade de Santo André pelo Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid). Das cerca de 40 mil receitas de controle especial que fizeram parte do levantamento, mais de 10.900 continham fluoxetina.

O levantamento mostrou que em praticamente todas as prescrições manipuladas em farmácias magistrais a fluoxetina estava associada a outras substâncias como anfetaminas e benzodiazepínicos, que agem diretamente no sistema nervoso central e podem potencializar o efeito do medicamento. Fluoxetina associada a benzodiazepínicos, por exemplo, pode causar aumento na sedação e comprometer os reflexos. Já em associação com as anfetaminas, pode desencadear crises psiquiátricas.

O CRF-SP alerta que os farmacêuticos tem papel fundamental para conter o problema, já que podem interceptar a receita médica que contiver a associação indevida. A melhor alternativa será a interação do farmacêutico com o médico prescritor, para adequação da receita.