A suspensão da venda do Raptiva® se deu depois que a sede norte-americana do laboratório foi notificada sobre ocorrência de três casos de Leucoencefalopatia Multifocal Progressiva (Lemp) em pacientes que utilizavam o medicamento. A Lemp é uma doença rara que atinge o sistema nervoso central, e que geralmente leva a óbito.

Em março passado, a Agência Europeia de Medicamentos (Emea) também havia divulgado nota recomendando a suspensão da venda do Raptiva® na União Europeia, em função da ocorrência de Leucoencefalopatia Multifocal Progressiva em pessoas que utilizavam o medicamento.

Os três casos envolvendo pacientes que contraíram a Lemp, em decorrência do uso do Raptiva®, ocorreram na Europa e nos Estados Unidos. Segundo a Anvisa, nenhum caso  havia sido notificado no Brasil.

O pronunciamento da Anvisa informa que: “A Agência está acompanhando os eventos ocorridos e vem tomando todas as providências cabíveis no sentido de reavaliação do perfil de risco-benefício do medicamento Raptiva® (efalizumabe)”.

Confira aqui o comunicado da Anvisa destinado a profissionais da saúde.

Confira aqui as recomendações da Anvisa para usuários do Raptiva®.