Com 980 leitos no total, o Instituto Central tinha 249 leitos que, até o início deste ano, contavam com distribuição de doses coletivas. Para individualizar a entrega em todos os leitos, o HC automatizou o processo de separação dos medicamentos.

Uma parceria do Instituto Central com a Bioengenharia do Instituto do Coração (Incor) garantiu a automatização do processo, que até então era feita de maneira manual. Por esse equipamento, os medicamentos são retirados das embalagens originais e reembalados em doses unitárias. A automatização permitiu aumento na produção de 4 mil unidades / hora para 8 mil unidades / hora.

Já no primeiro mês do novo controle, o HC registrou economia de R$ 107,5 mil. O diretor executivo do Instituto Central do HC, Carlos Suslik, destaca que, além do interesse econômico, a iniciativa garante maior segurança aos pacientes, que recebem as doses identificadas e embaladas.