Há oito anos, 540 mil brasileiros admitiram usar esses produtos, número que passou para 1,2 milhão nos últimos dados do Cebrid, colhidos em 108 cidades com mais de 200 mil habitantes.

Em contrapartida, outra pesquisa divulgada na semana passada pelo Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP), que testou a substância em camundongos, atestou que os anabolizantes estimulam a agressividade.

A indução à violência também se deve ao fato de que a maior parte dos usuários de anabolizantes é formada por frequentadores de academias praticantes de musculação. A força obtida com os esteróides teria impacto nas atitudes do indivíduo, cuja autoconfiança incentivaria as brigas, afirmam os especialistas.

Outro trabalho realizado pelo Instituto Dante Dazzanese, de São Paulo, que acompanhou seis jovens que sofreram enfartes antes dos 30 anos, revelou que todos era usuários de anabolizantes, o que comprova que essas substâncias provocam danos cardíacos, além de câncer no testículo e fígado.