A Radiofarmácia e o trabalho imprescindível do farmacêutico

São Paulo, 30 de julho de 2019.

Uma das áreas presentes no XX Congresso Farmacêutico de São Paulo, a Radiofarmácia contará com um local especial para debates e atividades sobre diversos temas. Em um deles, o painel “Desvendando a Radiofarmácia”, a farmacêutica Dra. Elaine Bortoleti de Araújo dará uma visão geral sobre o assunto.

“Nesta palestra trataremos de conceitos e definições relacionados à área de Radiofarmácia e das especificidades relacionadas à produção e controle de qualidade de radiofármacos, ressaltando as principais diferenças quando comparamos com a produção de medicamentos injetáveis convencionais, nos aspectos de instalação, treinamento e capacitação de pessoal, matérias-primas radioativas e Boas Práticas de Fabricação”, destaca Dra. Elaine, que também é gerente de Garantia da Qualidade e farmacêutica técnica responsável pela produção de radiofármacos do Centro de Radiofarmácia do IPEN.

Em relação ao mercado de radiofármacos para o farmacêutico, ela chama a atenção para a expansão da área, considerando que após a quebra do monopólio para produção de radiofármacos de meia vida curta em 2006, através do qual apenas os institutos ligados à Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) poderiam produzir e distribuir radiofármacos, diversas plantas de produção de radiofármacos privadas foram instaladas no país, ampliando a necessidade por mão de obra especializada para a produção e controle de qualidade de radiofármacos e registro de radiofármacos. “Além disso, a preparação de radiofármacos no ambiente das Radiofarmácias Hospitalares requer a presença do profissional farmacêutico. Esta necessidade deverá ser ressaltada a partir da publicação da IN de Boas Práticas de Fabricação de Radiofármacos, atualmente em consulta pública, juntamente com a RDC de BPF de medicamentos. Atualmente, existem cerca de 400 serviços de medicina nuclear no país, nos quais a preparação de radiofármacos é uma prática constante”.

Para atuar com radiofármacos é necessária formação complementar (especialização ou pós-graduação) em Radiofarmácia, incluindo conceitos relacionados à física das radiações, medida da radiação, aspectos específicos de produção e controle de qualidade de radiofármacos, além de radioproteção, para garantir a manipulação segura de insumos radioativos.  Tais conceitos serão agregados aos conceitos gerais relacionados à produção de medicamentos, principalmente os injetáveis.

10/10

10h às 11h40/ Painel - DESVENDANDO A RADIOFARMÁCIA

Moderadora: Dra. Ana Cláudia Camargo Miranda

- Visão geral

   Dra. Elaine Bortoleti de Araújo

- Aspectos da produção e controle de qualidade dos radiofármacos

   Dra. Neuza Taeko Okasaki Fukumori

 

Dra. Elaine Bortoleti de Araújo

Farmacêutica bioquímica formada pela Universidade de São Paulo (FCF-USP); fez mestrado e doutorado na área de Radiofarmácia no Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN-CNEN), unidade de pós-graduação da Universidade de São Paulo; é professora e orientadora do programa de pós-graduação acadêmico do IPEN-USP e professora e orientadora do Programa de mestrado profissional do IPEN na área de Radiofarmácia. Atualmente é Gerente de Garantia da Qualidade e farmacêutica técnica responsável pela produção de radiofármacos do Centro de Radiofarmácia do IPEN.

 

Thais Noronha

Departamento de Comunicação CRF-SP

CLIQUE AQUI PARA CONSULTAR OUTRAS NOTÍCIAS