Segundo os pesquisadores norte-americanos, o ato de sugar o peito por cerca de seis vezes ao dia, por mais de quatro meses em média, constitui um poderoso exercício capaz de aumentar a capacidade pulmonar e um maior fluxo de ar em crianças amamentadas. O mesmo benefício não ocorreria em bebês alimentados com mamaderias.

Participaram do estudo mais de mil crianças com dez anos de idade, entre as quais 39% haviam sido amamentadas por quatro meses ou mais, e cuja maioria apresentou melhor função pulmonar do que as demais.