As enxaquecas por uso indevido de medicamentos ocorrem diariamente ou quase diariamente, desenvolvendo-se ao longo do tempo. Segundo os estudiosos, os pacientes analisados desenvolveram certa tolerância aos analgésicos, tendo alguns se queixado de sintomas de abstinência quando tentaram descontinuar o tratamento.
 
Em geral, o problema ocorre quando pacientes com dor severa exageram na busca por um alívio, usando remédios em excesso para dar conta das atividades diárias. A condição pode começar com uma dor de cabeça severa ao acordar e ser acompanhada de náusea, ansiedade, esquecimento e irritabilidade. Se não tratadas, essas dores podem representar um problema maior do que a enxaqueca, de acordo com os autores do estudo.
 
O artigo diz ainda que alguns médicos preferem prescrever o uso de remédios para enxaqueca, enquanto tentam descontinuar o uso diário de analgésicos pelo paciente. Os especialistas destacam que "os médicos precisam estar vigilantes sobre qual medicação prescreve para enxaqueca e outros tipos de cefaléia, e quais os medicamentos sem prescrição os pacientes estão tomando". Eles explicam que a principal estratégia de prevenção seria a comunicação médico-paciente, além do cuidado com sintomas de abstinência.
 
Ainda não se sabe quais pessoas são mais propensas a desenvolver esse tipo de problema. O artigo afirma que seriam necessários mais estudos para um melhor entendimento da doença e para o desenvolvimento de estratégias eficazes de prevenção e tratamento.
 
A preocupação com o uso abusivo de analgésicos é de grande pertinência, na avaliação da assessora técnica do CRF-SP, dra. Amouni Mourad. "A busca pela melhora do quadro da dor pode gerar um mascaramento da verdadeira razão do problema, além do fato de existir o risco de reações adversas", aponta,
 
Segundo dra. Amouni, outro fator que deve despertar atenção especial é que o aumento das doses de medicamento, sem orientação médica, pode provocar toxicidade a vários tecidos como o renal, hepático entre outros, levando a conseqüências em muitos casos de graves a fatais.